Postado em 11 de Dezembro de 2018 às 13h41

Celular: um inimigo para a nossa saúde?

Saúde (79)
O celular faz parte da nossa rotina. Ao acordar e começar as atividades do dia, ele nos faz companhia, nos atualizando das notícias do mundo e dos amigos, através das redes sociais e dos sites de notícias. O pequeno aparelho oferece tudo o que precisamos, com apenas um toque é inegável refletir o quanto ele…

O celular faz parte da nossa rotina. Ao acordar e começar as atividades do dia, ele nos faz companhia, nos atualizando das notícias do mundo e dos amigos, através das redes sociais e dos sites de notícias. O pequeno aparelho oferece tudo o que precisamos, com apenas um toque é inegável refletir o quanto ele transformou a nossa vida.

Porém, apesar do passatempo que ele nos proporciona, o dispositivo de certa forma alterou o nosso comportamento, principalmente a maneira como o nosso corpo se comporta quando estamos com ele em mãos. Conforme explica o professor do curso de fisioterapia da Unochapecó, Vinicius Brandalise, nos últimos anos se tem observado uma mudança de hábitos da população e alguns trabalhos científicos estão analisando isso. ?Aqui na Universidade, foi feito um levantamento e foi percebido que os estudantes passam mais tempo usando o celular do que a TV e o computador. Enquanto se usa em média duas horas para esses dois últimos itens, o celular é usado o dobro do tempo?.

Mas todo esse tempo em frente a tela não é o problema. A questão é a posição que o nosso corpo adota para ficar olhando para o dispositivo. Vinicius comenta que a partir disso começam a surgir dores de cabeça e dores no pescoço, que é o resultado para quando a pessoa fica no celular continuamente. ?Essa posição é de flexão, com a cabeça inclinada e com o queixo quase encostando o peito. O indivíduo não percebe a duração da posição, então por se entreter com as atividades do celular, ele consegue ficar várias horas na mesma posição?, comenta.

Segundo ele, essa posição gera algumas alterações importantes, como o encurtamento da parte interior do corpo, onde o indivíduo fica com os ombros curvados para frente e o peito fica encurtado e a diminuição da força muscular da parte posterior do pescoço e do dorso também, que precisa automaticamente ser mais flexível. Tudo isso faz com que aumente a curvatura da região cervical e consequentemente dorsal, gerando uma hipercifose e um desequilíbrio na posição fisiológica do coluna cervical e torácica?.

            Para que a pessoa evite essa alteração no corpo, existem algumas dicas que podem ser lembradas ao longo do dia. Uma delas é o controle do tempo em frente a tela. ?Para cada 30 minutos no celular, é aconselhável um intervalo do mesmo tempo em outras atividades?, explica Vinicius. Outra dica são exercícios físicos semanalmente, para que o corpo se movimente e evite as dores comuns ao usar o dispositivo.

            O professor também comenta que durante a pesquisa com os acadêmicos, foi apontado um maior uso do celular durante a noite, antes de dormir. ?Esse uso antes do sono nos faz acordar com fadiga cumulativa, pois o nosso corpo fica na expectativa do que está acontecendo nas redes sociais, por exemplo, e não descansa. Por isso é aconselhável evitar o uso do dispositivo ao se deitar?.

            E por fim, para e quem já tem alterações fisiológicas causadas pelo uso contínuo do celular, o professor aconselha a fisioterapia.

Veja também

Saiba tudo sobre a labirintite27/09/17 Tontura, náuseas, alterações gastrintestinais, desequilíbrio e zumbidos no ouvido. Esses sintomas podem estar atrelados a uma doença chamada labirintite. Mas o que é labirintite? Quando seu ouvido sofre alguma inflamação na parte interna, ou labirinto, seus nervos auditivos entendem que você está em movimento. Fato que seus outros sentidos não conseguem detectar, causando assim, uma…...
ENXAQUECA OFTÁLMICA15/07/19 Quem nunca sofreu com uma dor de cabeça, não é mesmo? Porém, quando acontece com frequência e com alterações na visão seguidas de enjoo, mal-estar, intolerância a som alto e sonolência são sintomas de um problema que atinge cerca de 1% da população mundial: a......
O frio chegou e com ele as alergias respiratórias: saiba como evitar03/07/19 O inverno começou no dia 21 de junho. Os casacos já não ficam mais guardados no armário e muitas casas já começam ser aquecidas com o fogão a lenha. Acompanhado das baixas temperaturas, alergias e doenças respiratórias aumentam nesta época do ano. Gripe,......

Voltar para Blog

categorias-noticias