Postado em 09 de Abril às 11h30

MÁ POSTURA PODE SER A RAZÃO DO ENCURTAMENTO MUSCULAR

Atividade Física (13)

Até a forma como você dorme interfere

Dificuldade nos movimentos, desvios posturais e desequilíbrios musculares podem ser causados pelo encurtamento muscular, condições que são capazes de afetar tanto a coluna, como as articulações. Definido pela perda de elasticidade, o músculo encurtado pode perder a capacidade ou amplitude de movimento, interferir na capacidade de geração de força, e ainda, ter uma rigidez aumentada do músculo, que como consequência vai limitar o deslocamento articular.  

Convidamos o profissional de educação física, Clovis Colla para uma conversa sobre as causas do encurtamento, de acordo com o profissional, é possível citar fatores genéticos, de sedentarismo e má postura. "O modo como você senta, deita, até mesmo questões de como você dorme, isso pode gerar compensações musculares, ou compensações articulares, que podem ocasionar o encurtamento muscular. Então resumindo, questões genéticas e questões de hábitos de vida", explica. 

Para prevenir o encurtamento, o profissional indica o autocuidado, cuidar a maneira como senta, manter postura, não deitar de qualquer jeito, cuidar com o posicionamento do travesseiro e evoluir os hábitos. "O modo que a gente para em pé, às vezes dividimos o peso corporal em um membro só, por exemplo, na perna direita só, quando se torna costume, pode ocasionar um encurtamento muscular também". 


Nos casos genéticos, a questão é sobre predominância, tipo de fibra, de contração, o que segundo Clovis, pode ser treinado. "Tanto questões de hábitos, quanto genéticas podem ser melhoradas. Na questão genética, digamos assim, uma pessoa quando ela tem uma estatura mais baixa, têm uma probabilidade de ter maior elasticidade do músculo, uma pessoa que tem os membros maiores, mais compridos, vai ter maior encurtamento".

Da mesma forma, o profissional explica que quanto maior o nível de massa magra, também aumenta a probabilidade de encurtamento, sempre há essa questão, se o músculo está muito forte, com muita contração é preciso liberar, caso contrário, tende a perder elasticidade. 

Mas aí você pode se perguntar, como saber se estou com encurtamento muscular? Bom, o diagnóstico acontece através de uma avaliação física funcional. Conforme o educador físico, é possível analisar de forma estática e dinâmica: "Eu trabalho com as duas avaliações, através de fotos, vídeos, ou até mesmo com os movimentos durante a realização de um exercício. A partir desta avaliação conseguimos ver questões de postura e entender quais os músculos podem, ou não, estarem encurtados". Além disto, Clóvis explica que existem testes específicos para grupos musculares que servem para diagnosticar o encurtamento e também o excesso de alongamento.  


Alongamentos como tática 


Segundo Clovis, o alongamento aparece como uma estratégia para corrigir o encurtamento, e pode variar conforme o trabalho de cada profissional. No caso dele e falando da prática antes de atividades físicas, trabalha sempre no início das sessões, com exercícios específicos que são pensados de acordo com a avaliação física de cada aluno. "Depois de ter todo o diagnóstico do aluno, ele tem a sequência de alongamentos, sequência de séries, entre 15 a 20 segundos, nunca passo disso por série. Vale destacar que no alongamento a pessoa não precisa sofrer para executar o movimento", esclarece. 


Quando se fala em uma perspectiva diária, com ou sem a prática de exercícios físicos, o profissional indica alongar no mínimo uma vez ao dia. Nos casos graves de encurtamento, que chegam a gerar desvios posturais, ou mesmo dores, uma técnica é aumentar o volume de alongamentos, cerca de 15 ou 20 minutos por turno. "Para quem tem um encurtamento mais acentuado, de início esse tempo está ótimo, depois para manutenção pode diminuir o volume".  


É preciso lembrar que antes de realizar qualquer atividade, é necessário o aval de um profissional da área. Se você sente dores, é fundamental uma consulta médica para garantir que os exercícios não irão lhe prejudicar. Lembre-se de ficar atento aos seus hábitos e postura, desta forma irá evitar o encurtamento.  

Veja também

POR QUE SENTIMOS CÃIBRA18/07/19 Parado, caminhando ou até mesmo dormindo. Não existe hora ou lugar para sermos acometidos por cãibras. Causadas pela prática de esportes ou por determinadas atividades profissionais, elas podem se tornar mais intensas nos dias frios, em função da musculatura permanecer mais tensa e contraída. Essa contração dos músculos chega sem aviso e pela sensação de…...
Não deixe o frio te dominar Movimente-se!31/07/19 Por Dr. Joaquim Reichmann, médico ortopedista e traumatologista O hábito regular de exercícios aumenta a resistência e ajuda a prevenir e aliviar dores nos ossos e nas articulações causadas pela compressão vascular (diminuição do fluxo de sangue nos vasos do......
Vamos alongar?25/01/18 Nas aulas de educação física, na academia e até mesmo nos jogos de futebol, o alongamento é indispensável para quem pratica atividades físicas. De acordo com o educador físico Felipe Saretta, o alongamento é o distanciamento de contrações do músculo e pode......

Voltar para Blog

categorias-noticias